quarta-feira, junho 12, 2024
InícioNoticiais em destaqueGolpe de Estado no Gabão: a queda dos Bongos, da reeleição à...

Golpe de Estado no Gabão: a queda dos Bongos, da reeleição à detenção

“Juntos, trabalharemos de mãos dadas para garantir uma transição suave e exemplar”, indica o comunicado do Comité para a Transição e Restauração das Instituições (CTRI), publicado ao meio-dia de 30 de agosto. No entanto, menos de vinte e quatro horas antes, o povo gabonês aguardava em silêncio quase total, isolado da internet e das redes sociais, pelos resultados das três votações que, segundo o executivo, decorreram na calma. Quem teria pensado que o Gabão, onde a família Bongo manteve as redes durante mais de cinquenta anos, poderia passar tão rapidamente para o regime militar?

Faça protesto…

Foi ainda antes do amanhecer em Libreville – e antes do levantamento do jogo obrigatório previsto até às 6 horas da manhã – que o Centro Eleitoral do Gabão (CGE) anunciou finalmente os resultados das eleições presidenciais de 26 de Agosto. O canal de televisão público Gabon Première, que desde o dia das eleições transmitiu vídeos musicais recentemente intercalados com emissões políticas, transmitiu a leitura dos resultados por volta das 3h30. O presidente da CGE, Michel Stéphane Bonda, leu os resultados por província e por candidato, antes de apresentar os números nacionais provisórios: o grande vencedor, o presidente cessante, Ali Bongo Ondimba, eleito pela primeira vez em 2009, alcançou um terceiro mandato, com 64,27% dos votos.

Atrás dele, com 30,77% dos votos, Albert Ondo Ossa, candidato de consenso da oposição. Ainda antes de os resultados serem anunciados, a plataforma da coligação oposicionista Alternance 2023, que o nomeara para enfrentar o chefe de Estado alguns dias antes, contestou-os. A desacordo o que poderá ter levado ao padrão – já clássico no Gabão – de crise pós-eleitoral, desencadeando, como em 2016, manifestações e confrontos com a polícia.

Mas as respostas foram mais vivas, assim como os resultados foram anunciados e apesar da hora do anúncio, meio da noite. A população privada da Internet e sujeita à obrigação desde as eleições, esperou febrilmente e num clima “deletéria”, segundo um dos responsáveis ​​de comunicação do campo governante. Tiros foram ouvidos em Libreville, em vários bairros, poucos minutos após os resultados.

Nas redes sociais, e em particular entre grupos de oposição, circularam vários vídeos, publicados por meios indiretos, via VPNs, mostrando trocas de tiros. “Estão proclamando “Ali” o vencedor, estou atordoado”, escreveu um usuário às 4h18. Mas rapidamente, as mensagens de decepção com os resultados se transformaram em ligações para manifestação. “Acabei de ligar para Libreville, aparentemente do lado de Charbonnages [un quartier de la capitale], está começando a esquentar”, escreveu outro gabonês trinta minutos depois. Várias testemunhas confirmaram-nos que foram acertados por tiros.

…para o golpe

Menos de uma hora depois dos resultados, tudo mudou. É outro canal de televisão público, o Gabão 24, que transmite um comunicado de imprensa de apenas dois minutos: onze homens em uniforme militar, bem como outro à paisana, anunciam o “fim” do regime em vigor. “Todas as instituições da República estão dissolvidas, incluindo o governo, o Senado, a Assembleia Nacional, o Tribunal Constitucional, o Conselho Económico, Social e Ambiental, o Conselho Eleitoral do Gabão”, afirmaram. Apelamos à população, às comunidades dos países irmãos condicionais no Gabão, bem como aos gaboneses na diáspora, à calma e à serenidade. »

Vários dos “membros das Forças de Defesa e Segurança” apresentados no ecrã acabaram por ser identificados. A começar por aquele que se apresenta como porta-voz, o Coronel Ulrich Manfoumbi, do Regimento de Apoio e Comando de Apoio do Exército. Depois, um segundo coronel, Aimé-Vivian Oyini, chefe do Estado-Maior da Guarda Republicana. Mas um rosto não aparece: o do General Brice Clotaire Oligui Nguema, comandante da referida Guarda Republicana. Porém, ele é o homem que atua nos bastidores desse golpe.

Este general de brigada é bem conhecido dos gaboneses. Reconhecemo-lo em Julho num vídeo onde recebemos, das mãos de Ali Bongo Ondimba, as chaves dos quatro novos veículos blindados ligeiros entregues ao seu regimento em antecipação a uma possível crise pós-eleitoral. Depois, no dia 17 de agosto, desfilando ao lado do chefe de Estado a bordo de outro veículo cegado por ocasião da cerimónia do dia nacional. Poucos minutos depois, ainda está atrás do presidente, rodeado pela presidente do Tribunal Constitucional, Marie-Madeleine Mborantsuo, e pelo primeiro-ministro, Alain Claude Bilie By Nze.

Ele já estava refletindo sobre seu golpe? É agora “presidente” do Comité para a Transição e Restauração das Instituições, como indica a sua conta recentemente criada no X (antigo Twitter) e como o CTRI confirmou num comunicado de imprensa na noite de 30 de agosto. Ele publica as declarações do comitê e as assina com “Viva o Gabão, viva a transição!” “. Em imagens transmitidas continuamente pela televisão nacional, E amplamente compartilhado nas redes sociais, o ex-ajudante de campo de Omar Bongo Ondimba é elogiado – literalmente – aos céus pelos soldados posicionados no interior do palácio presidencial. “Oligui, presidente”, cantam seus apoiadores.

Ali Bongo retido

E o presidente “caído”, Ali Bongo Ondimba, e seus familiares? Após o anúncio do golpe, seguiram-se prisões. A esposa do chefe de Estado, Sylvia Bongo Valentin, foi levada ao palácio presidencial pela manhã. Nenhuma notícia dela foi filtrada desde então. Seu filho, Nourredin Bongo Valentin, também foi preso, mas seu local de detenção ainda é desconhecido. UEe A porta-voz e conselheira especial do presidente, Jessye Ella Ekogha, mas também Ian Ghislain Ngoulou, Mohamed Ali Saliou, Abdoul Oceni Ossa e Cyriaque Mvourandjiami (este último foi chefe de gabinete do chefe de Estado), também fazem parte do lote. Eles são acusados ​​de traição contra instituições estatais, desvio financeiro internacional por parte de uma gangue organizada, falsificação de assinaturas e até tráfico de drogas.

Outras personalidades, nomeadamente à frente das instituições da República, foram, segundo as nossas informações, detidas, como o presidente da CGE, Michel Stéphane Bonda, e Faustin Boukoubi, presidente da Assembleia Nacional. Quanto a Ali Bongo Ondimba, segundo anúncios de Ulrich Manfoumbi, encontra-se detido na sua residência privada em La Sablière, no norte de Libreville. Como colaborou com o chefe de estado de posto. “Quero enviar uma mensagem a todos os nossos amigos, em todo o mundo, para eles dizerem para fazerem barulho. Para fazer barulho, porque aqui as pessoas pararam a mim e à minha família. Meu filho está em algum lugar, minha esposa está em outro lugar e eu estou tem a residência”, diz ele em inglês em vídeo postado nas redes sociais.

Ao final da tarde, o CTRI transmitiu um novo discurso na televisão pública. Designado “unanimemente”, Brice Clotaire Oligui Nguema é portanto, sem grande surpresa, o presidente da transição. Primeiras medidas anunciadas: o restabelecimento da Internet, cortado desde 26 de agosto, mas restaurado pelo menos parcialmente na manhã de 30 de agosto, mas também dos canais internacionais cuja transmissão tinha sido suspensa (France 24, Radio France Internationale e TV5 Monde). A porta-voz do CTRI insistiu na “necessidade de manter a calma e a serenidade” no país e no seu compromisso de “preservar a ferramenta económica”. O toque de instalação foi antecipado em uma hora e entra em vigor das 6h às 18h – em comparação com as 19h até agora – a partir de quinta-feira, 31 de agosto.

Nesta noite de 30 de agosto, enquanto os gaboneses lutam para acreditar na realidade nas últimas horas, sucedem-se cenas de cidadãos eufóricos na televisão estatal, na qual o CTRI apareceu a meio da noite. O Gabão 24, entre duas retransmissões do discurso do novo regime, ocupa atualmente o ar com microfones nas calçadas, entrevistando o povo gabonês aliviado com esta mudança. “Estamos fartos do CEO [Parti démocratique gabonais]», diz um jovem. “Aspiramos a mudar. O Gabão está libertado, estamos felizes! Toda a população gabonesa está feliz! » diz outro. Chegará o momento das perguntas sobre os autores deste golpe de 30 de agosto e suas motivações mais tarde.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes