quarta-feira, junho 12, 2024
InícioIdeaisNão Gabão, ano zero da democracia?

Não Gabão, ano zero da democracia?

Um golpe de Estado é um ato ilegal. Pois é sempre um acesso à função suprema fora das formas constitucionais. No entanto, os juristas concordam que os atos ilegais podem ser considerados legítimos em certos casos, e sob certas condições, que as leis penais estaduais se qualificam como “autodefesa” ou “estado de necessidade”. Isto aplica-se, portanto, também a um golpe de Estado, que pode ser justificado muito ao pôr fim à opressão exercida pelos governantes sobre o povo, ou se impedir ou aniquilar uma fraude à Constituição praticada por aqueles que não estão no poder. do poder para mantê-lo.

O golpe de Estado coloca, no entanto, uma dupla e formidável dificuldade intelectual e política. Mutatis mutandis, quando o ladrão de uma maçã se aproveita do estado de necessidade para estar morrendo de fome, esse estado de necessidade é avaliado por terceiros, os juízes julgam os quais o ladrão é levado. Da mesma forma, quando um policial atira fatalmente em um indivíduo armado que se aproxima dele, cabe aos juízes dizer se o policial estava ou não em situação de legítimo defesa. Contudo, não existe um terceiro imparcial que possa afirmar que este ou aquele golpe de Estado foi legítimo à luz dos argumentos e documentos produzidos por aqueles que o instigaram. Na linguagem da filosofia política e do direito constitucional, dizemos que os autores de um golpe de Estado têm a “competência da competência” para decidir sobre a legitimidade da sua própria acção.

Fair-play constitucional

As organizações internacionais, a União Africana entre outras, não são e não podem ser o terceiro imparcial que diz se um golpe é legítimo ou não. E fornece provas disso com relutância, uma vez que condena sistematicamente os golpes, e com argumentos que têm os seus limites. Estas organizações condenam golpes de Estado enérgicos em nome da “preservação da paz e estabilidade internacional ou regional”. Quanto à razão da notificação sistemática dos golpes de Estado relativos ao “necessário respeito pela ordem constitucional”, não tem em conta o fato de esta ordem constitucional poder ter sido escandalosamente desprezado e por todo o tipo de vileza por parte daqueles que estão no poder.

O golpe de Estado coloca uma segunda dificuldade. Mesmo admitindo que seja a priori legítimo, não há garantia de que aqueles que o fizeram não queiram permanecer no poder e que se comprometam com uma espécie de jogo de estilo constitucional. Estas últimas definem as formas de atuação dos detentores do poder, não previstas nos textos, mas às quais devem conformar-se para que o sistema democrático funcione ou, no caso dos autores de um golpe, para demonstrarem o seu ethos democrático. .

Contudo, não há garantia de que irá querer construir imediatamente uma ordem constitucional e um sistema eleitoral totalmente democrático. Esta garantia falta por pelo menos duas razões. Em primeiro lugar, os perpetradores de golpes de estado podem temer pelas suas próprias vidas e pela sua paz de espírito se deixarem o poder demasiado cedo. O poder que os suceder poderá decidir processá-los criminalmente. Em segundo lugar, a elaboração de uma Constituição e a adoção de leis eleitorais consideradas relevantes não são suficientes para construir uma ordem constitucional e um sistema eleitoral verdadeiramente democrático, especialmente em África.

Justiça informativa

Um sistema constitucional e democrático pressupõe, em primeiro lugar, um dispositivo normativo relevante do ponto de vista antropológico, porque que ele levaria em conta o fato de que “está na ordem das coisas que todos os indivíduos que detém o poder estão inclinados a abusar dele”. Limitar o número de mandatos, limitar a acumulação de mandatos e funções, afastar ou proibir a transumância política, proibir qualquer alteração das leis eleitorais um ou dois anos antes das eleições, são todos padrões limitantes. Existem muitos outros. Este sistema envolve também engenharia burocrática – é o mais complexo e o mais difícil de obter – envolve tanto as administrações como os tribunais, para além dos requisitos da ferramenta ideal em África que é um código eleitoral em boa e devida forma.

Esta engenharia burocrática é complexa porque deve organizar todo um conjunto de medidas de segurança, que são particularmente fracassadas em África. Isto diz respeito, por exemplo, à segurança da identidade das pessoas, que pressupõe serviços de registo de seguros civis, emissão segura e autêntica de documentos de identidade, etc. na elaboração das listas eleitorais até às actas das assembleias de voto, tudo deve ser rastreável e objectivo. Além da segurança, a engenharia burocrática que torna possível um verdadeiro sistema democrático deve produzir justiça informacional para os cidadãos em questões eleitorais. Isto implica muitos constrangimentos, para além das regras que organizam a distribuição do tempo de uso da palavra audiovisual nos períodos pré-eleitorais e eleitorais.

Se, hipoteticamente, os autores de um golpe de Estado causaram um balanço das imensas dificuldades que enfrentam, ainda deverão levar a sério a questão dos homens que trabalharão para o nascimento de uma ordem constitucional nova, democrática e sustentável. E esta questão não é mais simples uma vez que o sistema caído só conseguiu funcionar com o apoio de vários funcionários públicos ou juízes que dele beneficiaram em termos de vantagens pessoais e profissionais, admitindo-se que a corrupção impõe de forma atávica a competência profissional dos funcionários públicos. A questão vertiginosa aqui é se os países africanos que aspiram a entrar de forma sólida na democracia devem ou não passar por procedimentos de lustração como os praticados nos antigos países da Europa de Leste, que são vários membros da União Europeia, ou pela África do Sul , sem final. fim de apartheid.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes