terça-feira, maio 28, 2024
InícioIdeaisGolpes de Estado na África francófona: pensões e segurança social, estas questões...

Golpes de Estado na África francófona: pensões e segurança social, estas questões que não esperávamos

Enquanto, mais de sessenta anos após a independência, alguns ainda lamentam as razões pelas quais “a França perdeu o Sahel”, alimentando a propaganda anti-francesa – paga ou não – nos últimos dias em torno das bases militares de Niamey e de Ouallam, outros estão a trabalhar sobre como alcançar a paz social o mais rapidamente possível. Em todo o caso, esta é uma opção activada pelo novo presidente da transição no Gabão, General Brice Oligui Nguema.

Apenas um dia depois de “se aposentar” o Presidente Ali Bongo, em 31 de agosto, o responsável tentou a transferência para as mãos dos trabalhadores da gestão do Fundo Nacional de Segurança Social (CNSS) e do Fundo Nacional de Seguro de Saúde e Garantia Social (CNAMGS).

Sem dúvida que ele tem em mente (alguém lhe disse?) que os gaboneses, além de estarem profundamente cansados ​​da má gestão e da corrupção de suas elites, estão ferozmente vinculados ao sistema nacional de proteção social. A começar pelo seu CNSS, herdado diretamente de França, e cuja gestão desastrosa levou à sua colocação sob administração provisória durante mais de um ano.

Uma retirada estatal há muito esperada

A retirada do Estado da gestão das duas entidades, ocorrida há muitos anos pela Federação das Empresas do Gabão (FEG), deve esperar, se em Libreville, permitir uma melhor gestão das contribuições e eliminar a tentativa de governo de mergulhar nela sempre que achar conveniente.

Uma decisão mais lógica quanto às empresas são as únicas contribuintes para o financiamento do CNSS, sendo notório o incumprimento do Estado no pagamento das suas próprias contribuições…

Tranquilizar os funcionários públicos e os trabalhadores do setor privado sobre a preservação dos seus direitos sociais, ancorar a paz doméstica… o antigo chefe da guarda presidencial do Gabão – do clã Bongo e parte integrante do antigo sistema – tem, sem dúvida, consciência de que se trata de uma questão de conquistar os corações (e bolsos?) dos gaboneses o mais rápido possível, para mostrar seus pontos fortes desde o início.

Exemplo inspirador da Costa do Marfim

Tem em mente o exemplo da gestão virtuosa dos fundos de pensões dos funcionários públicos e do setor privado na Costa do Marfim, assegurada respectivamente pelo IPS-CGRAE e pelo IPS-CNPS? Com défice há apenas dez anos, foram reformados e agora prosperaram, com um excedente total de cerca de 1.500 mil milhões de francos CFA (2,3 mil milhões de euros).

O suficiente para formar investidores institucionais capazes de comprar a subsidiária local do BNP Paribas num curto espaço de tempo este ano, quando o grupo bancário francês decidiu apressar sua saída do país.

Em 2012, pouco depois de chegar ao poder, Alassane Ouattara deixou-se convencer da relevância de reestruturar o funcionamento dos referidos fundos. Como ele estava inspirado! Não só os fundos estão hoje em perfeita saúde, mas desde então têm atualizado regularmente os seus serviços, lançados pensões complementares e um regime para trabalhadores independentes, e estão agora a trabalhar para criar novos ramos, como as pensões de habitação.

Incertezas no Níger e Burkina, caos no Congo

No Níger, onde o CNSS era uma das organizações de protecção social mais bem geridas na África francófona até à derrube do Presidente Mohamed Bazoum em 26 de Julho, os golpistas optaram pela tábula rasa, demitindo todos os responsáveis ​​nos dias seguintes à apreensão de poder. Irão assumir rapidamente os grandes projetos do Fundo que ficaram inacabados, confiando-os nos gestores responsáveis ​​e de longo prazo?

No Burkina Faso, onde o Carfo (Fundo Autónomo de Pensões dos Funcionários Públicos) também era o orgulho dos seus contribuintes antes dos golpes de 2022, as autoridades de transição acolheram uma missão da empresa francesa Finactu desde o início de Setembro em Ouagadougou (África Business+ de 01/09/23) que visa precisamente melhorar ainda mais o seu funcionamento. A lista é longa de jurisdições africanas que zelam pelo bom funcionamento dos seus sistemas sociais como leite em chamas.

No Congo-Brazzaville, por outro lado, o CNSS e o CREF encontram-se numa situação catastrófica: os reformados não recebem a sua pensão há dois anos, uma questão que merece mais atenção, dirão alguns…

Benefícios sociais, garantias de estabilidade política

Porque a protecção social, com base no bem-estar das populações, todos os governos africanos estão a chegar a isso, é apenas uma questão de tempo, especialmente com o regresso dos prazos eleitorais, organizados de forma livre e transparente.

Antes parente pobre das políticas públicas, a defesa dos direitos à saúde e à aposentadoria tornou-se, neste período de golpes de Estado, a prioridade dos novos senhores dos palácios presidenciais. Que entendi que o bom desempenho e a regularidade do pagamento dos benefícios sociais constituíam a melhor forma de obter estabilidade política e paz social.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes

Afroapaixonados - Noticias da África We would like to show you notifications for the latest news and updates.
Dismiss
Allow Notifications