quarta-feira, maio 29, 2024
InícioIdeaisEm África, golpe de Estado ou nada!

Em África, golpe de Estado ou nada!

Mali, Guiné, Sudão, Burkina Faso, Chade, Níger… e hoje, Gabão. Desde 2020, parte do continente africano enfrentou o regresso dos militares à cena política. A última data de 30 de Agosto em Libreville, data do fim do regime do Presidente Ali Bongo Ondimba, no poder desde Agosto de 2009. Este golpe é, a rigor, mais uma revolução palaciana do que uma oferta política. Deveríamos, no entanto, ceder a um determinismo que nos encorajava a pensar que o continente africano é atingido pela maldição dos golpes de Estado?

O Putsch é uma realidade tão antiga quanto o tempo. Tal como o golpe de Estado de 18 Brumário liderado por Napoleão Bonaparte em 1799, com algumas exceções, é sempre uma crise, ou a dessincronização das normas jurídicas e dos princípios de legitimidade, que conduz ao golpe de Estado. Onde os contra-poderes são muito fracos para defensor Instituições, uma minoria armada consegue sempre tomar conta do Estado, especialmente em África, quando se trata de países que mal completaram sessenta anos de independência.

Escolhido pelos Gaullistas

A comunidade internacional está analisando as crises africanas à luz dos perigos que podem exportar para além das fronteiras do continente, neste momento em que a questão da migração está a tornar uma questão política internacional nos países europeus. A democracia, tal como um golpe de Estado, deve ser comprovada caso a caso. A França do Presidente Emmanuel Macron deseja, por exemplo, restituir às suas funções exclusivas o Presidente Mohamed Bazoum, eleito Chefe do Estado do Níger, que não renunciou. Considerando que, pelo contrário, o derrube das três vezes eleito presidente guineense, Alpha Condé, não beneficiou da mesma preocupação com o regresso à ordem constitucional por parte das autoridades francesas. As mesmas pessoas que hoje compartilham a chegada ao poder no Gabão do general Brice Oligui Nguema como uma solução técnica para um regime cujo principal ator, devido ao seu estado de saúde, se tornou um fator de bloqueio da vida política gabonesa. Uma situação considerada a longo prazo prejudicial aos interesses económicos franceses, porque o Gabão sempre manteve relações importantes com a França.

É o país escolhido pelos gaullistas no início da década de 1960, para compensar a perda da Argélia em termos de recursos petrolíferos. O seu primeiro presidente, Leon Mba, não sonhou em fazer do Gabão um departamento francês? Deposto por jovens soldados progressistas em 1964, foi rapidamente reintegrado em suas funções pelas tropas francesas.

Graças a uma reforma constitucional supervisionada pelo famoso Monsieur Afrique do General de Gaulle, Jacques Foccart, Omar Bongo Ondimba foi empossado como vice-presidente para que em 1967, após a morte de Léon Mba, tornou-se presidente sem passar pelo sufrágio universal. O pai Bongo esteve à frente do Gabão durante cerca de quarenta anos graças aos lucros inesperados do petróleo, cuja redistribuição garantiu a paz social, e à presença do exército francês.

O conturbado jogo de Paris

Presidente convalescente marcado por uma governança solitária e aventureira, Bongo Júnior cometeu entre outros pecados, o de ter rompido com a emprestada “generosidade” de seu pai, para uma utilização de recursos do Estado em benefício de seu único clã, “empobrecendo” de passagem direitos legítimos do antigo regime partiram para absorver as fileiras da oposição.

As mesmas pessoas que não hesitaram em fazer campanha contra ele em 2016 sobre o tema da sua filiação extra-Gabonesa! Pensamos no Presidente Bédié inaugurando o conceito de Ivoirité para eliminar o seu adversário Alassane Dramane Ouattara, que exerce agora o seu terceiro mandato depois de ter adotado legalmente uma nova Constituição por referendo, sem suscitar grandes críticas por parte de Paris, nem de muitos africanistas que fala sobre a “maldição” do terceiro mandato em África.

Será esta uma das causas do famoso sentimento anti-francês em África? Não compreender o erro de “separar” os bons dos maus golpes, os bons dos maus terceiros mandatos, é uma verdadeira heresia. O sentimento anti-francês entre as elites baseia-se, em parte, na ideia de que a França tolera certos regimes autoritários em nome da estabilidade e condena outros quando as relações pessoais são execráveis ​​com os chefes de estado no poder, ou quando os interesses económicos são inexistentes. Às vezes, para o cidadão comum do continente, o sentimento anti-francês começa simplesmente durante uma difícil corrida de obstáculos para obter um visto de residência na França.

Não podemos mais prever nada com certeza, exceto prever eventos que já aconteceram… como disse A humorista.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes

Afroapaixonados - Noticias da África We would like to show you notifications for the latest news and updates.
Dismiss
Allow Notifications