domingo, fevereiro 25, 2024
InícioSociedadeTerremoto em Marrocos: o rei ao lado dos feridos

Terremoto em Marrocos: o rei ao lado dos feridos

As esperanças de encontrar sobreviventes estão a diminuir em Marrocos, quatro dias após um terramoto devastador na região de Marraquexe, onde o rei Mohammed VI visitou os feridos. O terremoto deixou 2.901 mortos e 5.530 feridos, segundo o último balanço oficial.

A Cruz Vermelha lançou um apelo a fundos de cerca de 100 milhões de euros para apoiar operações de socorro, depois de ter libertado um milhão de francos suíços do seu Fundo de Emergência para apoiar as atividades do Crescente Vermelho Marroquino no terreno.

O rei Mohammed VI visitou o centro hospitalar universitário de Marraquexe antes de doar sangue. Ele “visitou a unidade de terapia intensiva e a unidade de internação para vítimas do terremoto” para saber sobre o estado de saúde dos feridos, bem como os cuidados que lhes são prestados.

Voluntários e socorristas marroquinos, apoiados por equipes estrangeiras, estão tentando acelerar as buscas para encontrar possíveis sobreviventes e fornecer abrigo a centenas de famílias que perderam suas casas. Mas em algumas áreas isoladas, os moradores dizem que são deixados à própria sorte.

“Medo das chuvas”

Em Douzrou, uma aldeia devastada por terramoto localizada a 80 quilómetros a sudoeste de Marraquexe, a preocupação pode ser vista nos rostos dos sobreviventes, que improvisaram abrigos improvisados. Cerca de cem pessoas nesta cidade morreram localizada no início da cordilheira do Alto Atlas, segundo moradores.

“É importante que recebamos cuidados, não podemos sobreviver por muito tempo na natureza. As condições climáticas são muito duras. Tememos o pior com a chegada do inverno”, preocupa Ismaïl Oubella, 36 anos, que perdeu três filhos (3, 6 e 8 anos), a esposa grávida e a mãe.

“Queremos ser realojados o mais rápido possível, perdemos tudo, até o nosso gado. Os mortos, nós mesmos os retiramos” dos escombros, alarma Hossine Benhammou, 61 anos. Nove membros de sua família, incluindo sua filha e duas netas, morreram.

Uma equipe de 20 socorristas do Equipe Internacional de Busca e Resgate do Reino Unido (UK-ISAR) chegou ao local. “Os residentes administraram a situação, mas vamos enviar cães” para ver se há pessoas sob os escombros, disse à AFP o líder da equipe, Steve Willitt. “Temos medo das chuvas que podem cortar estrada não pavimentada que leva à nossa aldeia. Corremos o risco de morrer de fome”, confidenciou o morador Lahcen Ouhmane, de 68 anos.

Hospitais de campanha

Na cidade de Amizmiz, a cerca de uma hora de distância, bolsas de sobreviventes estão amontoadas em torno de um semirreboque, à espera de ajuda alimentar distribuída por voluntários. “Não é o governo que ajuda, são as pessoas”, diz Abdelilah Tiba, 28 anos, voluntariamente. “O que faremos quando as pessoas pararem de nos ajudar?” » preocupa Fátima Benhamoud, 39 anos.

Segundo a Unicef, cerca de 100 mil crianças foram afetadas pela terramoto em Marrocos, onde representam quase um terço da população. A organização da ONU disse ter “mobilizado pessoal humanitário para apoiar uma resposta imediata no terreno”.

O chefe do governo marroquino, Aziz Akhannouch, garantiu que “os cidadãos que perderam a sua habitação recebem uma indemnização”. Segundo ele, atualmente estão sendo estudadas soluções para os moradores de rua.

As aldeias mais próximas do epicentro do terremoto ainda permanecem inacessíveis devido às penetrações da terra. Em algumas áreas sem litoral, helicópteros vão e voltam para transportar alimentos, segundo jornalistas da AFP. O exército marroquino criou hospitais de campanha para tratar os feridos em zonas sem litoral, como na aldeia de Asni, na província devastada de Al-Haouz, pouco mais de uma hora de Marraquexe.

O terremoto atingiu magnitude 7 segundos no Centro Marroquino de Pesquisa Científica e Técnica (6,8 segundos no Instituto Americano de Geofísica, USGS). É o mais poderoso já medido Não Marrocos.

(com AFP)

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes