domingo, fevereiro 25, 2024
InícioSociedadeInundações na Líbia: por que uma catástrofe desta magnitude?

Inundações na Líbia: por que uma catástrofe desta magnitude?

As centenas de vídeos transmitidos em canais de televisão de todo o mundo ou retransmitidos nas redes sociais não são suficientes para medir a dimensão do duplo desastre que envolveu Derna, a antiga capital da Cirenaica, que tinha 100.000 habitantes. Está isolado do mundo desde que a tempestade Daniel atingiu o leste da Líbia, em 10 de setembro, causando também danos – de menor magnitude – em Benghazi, Sousse, El Beïda e El Merj.

A Líbia está em estado de choque e luta para compreender o que aconteceu. É claro que esta região localizada a 1.340 km a leste de Trípoli já sofreu danos naturais, mas nunca desta magnitude. O terramoto de El Merj em 1963 e as suas 350 mortes hoje parecem insignificantes em comparação com os 5.300 mortos e 6.000 desaparecidos contados esta quarta-feira pelo Serviço de Resgate e Emergência da Líbia do governo de Trípoli.

“Já não aguentamos os enterros, recorremos às valas comuns”, confia um jovem que nem sabe se os que estão enterrados desta forma já foram identificados. “Foi o dilúvio, como está descrito no Alcorão”, diz outra testemunha deste cataclismo que fez morrer dez membros da sua família, levados pelas ondas.

Quase 72 horas após a tragédia, o que sabemos exatamente sobre suas causas e o que poderá acontecer a seguir?

Como a Tempestade Daniel se formou?

Daniel não é uma tempestade qualquer, mas um fenómeno excepcional, qualificado pelos especialistas como “Medicane” – a contracção entre “Mediterrâneo” E “Hurricane”, furacão em inglês. Numa noite, nesta região fronteiriça com o Egito, caiu o equivalente a 365 dias de chuva, acompanhada de ventos extremamente fortes.

Originalmente, tratava-se de um fenómeno normal de baixa pressão sobre a Turquia que se deslocou em direcção à Bulgária e depois rumores para oeste, para a Grécia, onde fortes chuvas causaram inundações e causaram 15 mortes. Esta depressão, pressão entre massas de alta pressão e em ventos enrolados sobre si mesmos, em contato com a grande massa de águas mediterrânicas ainda quentes sob o efeito de um verão escaldante e de um índice de temperatura elevado, adquirido todas as características de uma furacão . “Furacão” é o termo específico para este fenómeno no Atlântico, enquanto falamos de “ciclone” no Oceano Índico e no Pacífico Sul, e de “tufão” na Ásia.

Por que uma tempestade foi particularmente mortal em Derna?

A cidade sofreu dupla sombra: “Em muito pouco tempo caíram chuvas consideráveis ​​e romperam-se as diques de duas barragens. A combinação dessas duas características relacionadas ao desastre de Derna”, analisa Samir Meddeb, especialista em meio ambiente e desenvolvimento sustentável. O que especifica que “aparentemente, mas sem qualquer certeza, os vertedouros de cheias não funcionaram como quando uma barragem está saturada. Sem esse relevo, os diques, que não eram de concreto, mas de terra compactada, cederam”. Para alguns, a cidade, sob influência italiana durante o período colonial, então reduto do Estado Islâmico (EI) até 2018, também sofria com a falta de manutenção das suas infraestruturas e dos circuitos de águas residuais.

Samir Meddeb acredita também que, “como em todas as regiões desérticas onde os cursos de água se enchem a cada cinco ou seis décadas, as pessoas esquecem estes episódios e constroem no leito principal do wadi”. O que tornou o desastre pior. A essa dinâmica soma-se o efeito da seca: o solo deixa de absorver água e acaba acumulando e formando torrentes. Mas Kevin Collins, professor de sistemas ambientais na Universidade Aberta do Reino Unido, também aponta falhas “nas capacidades de previsão do sistema de alerta e evacuação”.

Onde está o problema e a ajuda?

Estradas cortadas, penetração de terra e inundações isolaram a região de Derna. Quanto ao acesso ao mar, é dificultado pelos fortes ventos, mas também pela destruição de parte das instalações portuárias. 72 horas depois da tragédia, as redes telefónicas e de Internet ainda não foram restabelecidas, o que dificulta a busca de pessoas. “Precisamos de equipamentos e máquinas de grande porte para desobstruir as estradas”, garante um socorrista.

Os bombeiros, o Crescente Vermelho Líbio e as forças militares do general Haftar, que controlam o leste da Líbia, estão no terreno, enquanto Trípoli declarou três dias de luto nacional, sublinhando “a unidade de todos os líbios” face a esta tragédia. “Muitos países estão intervindo na Líbia através da venda de armas. Pedimos-lhes hoje que intervenham de uma forma mais positiva”, exige Guma el-Gmaty, líder do partido Taghyeer. Estes pedidos de ajuda internacional, nomeadamente do Crescente Vermelho Líbio, foram ouvidos pela Turquia, pelos Emirados Árabes Unidos e pela Tunísia, que enviaram equipas de resgate.

A Argélia também contou com ajuda humanitária significativa, que tem foi transportado por oito aviões militares. O Egito despachou três aviões com primeiros socorros, além de equipes de busca e resgate. O Catar inveja um hospital de campanha e ajuda médica e alimentar. A França também irá implantar um hospital de campanha, enquanto os Estados Unidos fornecerão fundos de emergência a organizações de ajuda humanitária. Está previsto apoio adicional coordenado pela ONU. O presidente russo, Vladimir Putin, também garantiu que o seu país está pronto para prestar a assistência necessária.

Quais são os riscos para os próximos dias?

Dado o número de desaparecidos, o doutor Samy Allagui alerta para “os riscos de doenças ou epidemias devido a esta massa de corpos, alguns dos quais transportam germes. Sem falar nos efeitos da putrefação e dos necrófagos atraídos por restos humanos, no mar e na terra. Muitas doenças podem causar danos e este risco deve ser levado muito a sério e tratar essas áreas com aspersão de cal.”

Já podemos falar sobre segurança?

Originário de Derna, o doutor Hani Shennib, do Conselho Nacional Americano de Relações com a Líbia, aponta que “4 km² de edifícios foram apagados do centro da cidade”. Portanto, tudo precisa ser reconstruído. O chefe do Governo de Unidade Nacional (GNU), Abdelhamid Dbeibah, já atribuiu 2 mil milhões de dinares líbios – ou 446,4 milhões de dólares – ao Fundo de Construção para as cidades de Benghazi e Derna. Uma sem dúvida preliminar na medida em que obviamente ainda não está definida o custeio dos trabalhos futuros, mas que visa sem dúvida mostrar a capacidade de resposta das autoridades e unir um povo dilacerado por um conflito que já dura doze anos. Alguns estimam que o custo da supervisão da infra-estrutura rodoviária e das pontes de Derna, que foram completamente destruídas, custou 67 milhões de dólares.

Independentemente disso, a tempestade de Daniel enfrentou a Líbia com as consequências de sua divisão política e a resultante ineficácia da governança. Dividido em dois, gerido por dois governos inimigos, o país não tem uma política de desenvolvimento e não consegue manter as suas infra-estruturas, nomeadamente as barragens. Perante condições tão profissionais e dramáticas como as que o país vive há três dias, a falta de antecipação e previsão tem um preço elevado e as equipes de resgate foram completamente apanhadas de surpresa pela dimensão da catástrofe.

Que lições podemos aprender com o desastre?

Uma catástrofe na Líbia poderá repetir-se em qualquer parte do Mediterrâneo, e só podemos imaginar os danos que causariam em áreas ainda mais densamente povoadas do que Derna. De acordo com o Observatório Europeu Copernicus, as temperaturas da superfície do mar – que absorveram 90% do excesso de calor produzido desde a era industrial – estão a aumentar, levando a aumentos recordes de calor em todo o mundo. Este calor ajudou a criar o “Medica” que atingiu o norte da Cirenaica.

Ironicamente, o G20, que se realizou no fim da semana passada em Nova Deli, na Índia, não foi atacado em quaisquer anúncios fortes destinados a ter em conta as alterações climáticas. Este encontro das principais economias do mundo ocorreu depois de um verão marcado por incêndios, secas e episódios ciclônicos alarmantes, e precisamente no momento em que Marrocos e a Líbia foram atingidos por catástrofes. natural assassino.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes