domingo, fevereiro 25, 2024
InícioMúsicaAmapiano…fortissismo! Dos guetos às pistas de dança internacionais

Amapiano…fortissismo! Dos guetos às pistas de dança internacionais

“Pi-a-no, pi-a-no”… Estas três sílabas ressoam como um slogan em Point Fort d’Aubervilliers. É nesta localidade de Seine-Saint-Denis, nos subúrbios de Paris, que se realiza a segunda edição do Festival Pépélé, primeiro evento dedicado ao amapiano na capital.

Mas não é hora de comemorar. A cidade está superaquecida há dias, tiros de morteiros ressoam na Avenida de la Division-Leclerc e a raiva dos moradores é ouvida após a morte de Nahel, um adolescente de 17 anos morto três dias antes por um tiro policial, durante um cheque. Por ordem da delegacia, o primeiro dia do evento teve que ser cancelado. Nada que desanimasse os organizadores, que lançaram as festividades vinte e quatro horas depois, no dia 1º de julho.

Uma vez dentro do terreno de 36 hectares, há uma mudança de ambiente e decoração. Os cerca de 4.000 festivaleiros, com sorrisos nos rostos, reúnem-se com alegria e bom humor, deixando para trás a azáfama exterior, guiados por uma palavra-chave: amapiano. Termo que significa “cheio de pianos” na língua Zulu, em referência à presença de sintetizadores jazzísticos que caracterizam esta house music vinda diretamente da África do Sul.

Um movimento que encontra

No deserto industrial cercado por blocos de apartamentos, painéis prateados apresentam um desfile de looks coloridos e perfeitamente desenhados. Ó corte superior é de rigeur, o folgado está de volta, a camisa floral veste uma regata branca já decorada com correntes chamativas, tênis XXL e casual plataforma completam as silhuetas dignas da Nação Afro e do carnaval de Notting Hill. Luzes de fada iluminam o pátio onde, no meio desta tarde ensolarada de verão, as linhas percussivas do baixo já sobem. “Inclusivo E benevolente”: dois termos que se tornaram prerrogativos dos organizadores do festival para garantir a segurança dos visitantes. E que parece ter contaminado naturalmente o sítio de Pépélé, transformando-o em espaço seguro, por um fim de semana.

“Amapiano é convivência, momento coletivo de comunhão”, garante Nadim Makhlouf, 38 anos, que iniciou o evento. Um cenário despolitizado mas unificador, onde as mulheres têm o seu lugar. No palco externo, dançarinos de microshorts já agitam a galera. As danças afro-urbanas, dando lugar de destaque ao footwork, aos movimentos frenéticos e sincopados, fundem-se com o hip-hop e os passos de dança. sacudir o saque. No grande palco, Kamo Mphela, 23 anos, uma sul-africana do Soweto que ficou conhecida pelos seus vídeos virais de dança publicados no TikTok, canta e dança energicamente ao ritmo de loops hipnóticos.

Aumentando nas redes sociais

Pretória, Alexandria, Soweto… É difícil determinar qual região é responsável pelo movimento. “Uma coisa é certa, vem de comunidades marginalizadas. Isso pode ser percebido nos temas das peças onde são expressos os contratempos e dificuldades da vida comentar Diyou DJ parisiense e idealizador do coletivo Dawa. Mas a ideia é não insistir nisso, o que torna a música divertida. » Ele é tão É impossível datar o nascimento do género, mesmo que alguns o colocaram em 2012. Mas podemos estimar mais facilmente a sua ascensão. O público amapiano cresceu em crescendo, até destruiu em 2020 graças às redes sociais.

“Os produtores desenvolveram a criar e publicar filhos na internet durante o confinamento, então, quando começamos a sair da pandemia da Covid-19, novos pistas de dança dedicados ao gênero nasceram e conquistaram muito o público, que queria dançar depois desse período difícil”, lembra Nadim. A mesma observação para Diyou. “Na África do Sul, a vida média dos gêneros musicais é de oito anos. O Amapiano deveria ter sofrido o mesmo destino, só que a pandemia transferiu o gênero para a internet, o que permitiu que as pessoas tivessem tempo para explorá-lo, e que as grandes gravadoras vissem o interesse e contratassem os artistas. »

É o primeiro género, depois do Afrobeats, a fazer um grande avanço em África.

Mistura de kwaito, casa profunda e jazz, o amapiano é baseado em ritmos repetitivos, suaves e lentos (de 110 a 120 BPM no máximo), acompanhados de rampas e uma versão sintetizada de bateria tradicional. Uma mistura que tem atraído um público misto, unindo tanto a comunidade afro, fãs de Afrobeats, como aficionados do electro. “Nas festas amapianas o público recorre ao DJ, como nas festas techno. A cena de Ibiza não tem mais monopólio. O Amapiano enquadra-se claramente no som electro, mas associamo-lo à música urbana, explica Nadim, também fundador do estúdio de eventos Casabey.

A mesma história acontece com Bbrave, um DJ francês que mora em Gana há doze anos. “É um som que pode ser facilmente encontrado em Berlim. Mas é também o primeiro género, depois do Afrobeats, que conseguiu difundir-se em África, em todo o continente. Por exemplo, a música estrangeira tem grande dificuldade em penetrar no Gana. Achei que o afro house iria encontrar público, mas histórias que esperaram o amapiano para ele pegar”, observa o criador do selo Akwaaba, que veio mixar na Cité Fértil, em Pantin, para o Amapiano Sunset Festival, organizado pelo coletivo Dawa. Um sucesso que pode ser explicado, segundo Benjamin Le Brave (seu verdadeiro nome), pela qualidade das produções. Lembramos o entusiasmo que houve ativo teve em torno do gqom, gênero também afiliado à house sul-africano. E, no entanto, o sucesso foi apenas furtivo e relativo.

“Os filhos foram muito modificados, em fato à cultura dominante, sem vocais, e trocados via arquivos do WhatsApp pelas crianças. É por isso que não durou. O sucesso internacional do amapiano pode ser explicado pela produção extremamente sofisticada. Por trás dos filhos escondem-se coisas reais criadores de batidas, como Kabza De Small ou DJ Maphorisa, uma espécie de DJ sul-africano Khaled capaz de identificar as estrelas de amanhã”, confirmar o DJ, ainda que diga que já está cansado de uma cena que considera sobrevalorizada, sem dúvida porque ela sabia como para encontrar sua receita para se tornar uma música com impacto festivo e comercial.

Um movimento pan-africano

“Foca, queremos festa” (“Foca, queremos festejar”), grita o público do Pépélé diante de Focalistic, de 27 anos, um dos novos dirigentes do amapiano, que canta junto alegremente. No palco, o cantor de Pretória declama suas letras em spitori, gíria de sua província. “Não é uma língua oficial na África do Sul, mas as minhas canções chegam a todas as comunidades do país. É um som que uma nação e mais além”, assegura o homem que percorreu o mundo no ano passado, da Europa aos Estados Unidos, passando pela África Oriental e pela África Ocidental.

“Joguei na RDC, um país ultramilitarizado, e mesmo assim, graças ao amapiano, conseguiu festejar”, ​​comemora. Viemos da mesma família, em todo o mundo. Até a Beyoncé lançou uma música amapiano! » observe o autor do tubo K-estrela, que, desde seu lançamento em 2021, acumulou cerca de 10 milhões de visualizações no YouTube. Porque embora apolítica, a cena destila uma mensagem pan-africana. Os afro-americanos misturam seu R’n’B com loops amapiano; os ganenses tingem o azonto com as mesmas eletrocamadas sul-africanas; o mesmo vale para os nigerianos, que ousam misturada afrobeats e ghetto house. E o impacto não afeta apenas os falantes de inglês.

Em Pépélé, enquanto Focalistic inflama o público, uma figura esbelta, com a cabeça raspada coberta de água oxigenada, irrompe no palco. Um rosto bem conhecido do público francês. MHD, o pequeno príncipe do afro trap, também mediu a extensão do específico e assinou título em comemorando com aquele que chamamos de presidente você é forte (“do gueto”). A dupla está pronta para colocar fogo nas coisas com Fogo : quase 230.000 visualizações em apenas nove dias. Também contaminado pela tendência, o rapper franco-congolês Youssoupha. Ele também lançou uma faixa em homenagem ao gênero sul-africano em 2021, intitulada simplesmente Amapiano. “Percebo o amapiano como um modo de vida, uma música que não força, que flui por si mesma”, analisa no documentário Música que Move: Amapianoproduzido pelo Spotify.

“Quando você mistura o amapiano com uma música tradicional marroquina como o gnawa, isso conecta as pessoas. E quando introduzimos instrumentos ao vivo, eles adoram, porque muda a cultura”, instruiu Flomine, um DJ marroquino. Mesmo fora do continente e da diáspora, o amapiano é imitado. Como prova, os japoneses de Tyo Gqom também experimentaram o exercício. Tendo se tornado um dos produtos de exportação mais fortes de África em termos comerciais, o movimento sul-africano vê os seus artistas no cenário mundial. Ouvir no Spotify cresceu mais de 563% nos últimos dois anos. Com mais de 920 milhões de streams em maio de 2022, os títulos amapiano listados na plataforma sueca desde então ultrapassaram em muito Ó milhões.

A ª cena impulsionada pelo TikTok

“O amapiano está em linha com os movimentos anteriores, o kwaito, o gqom e principalmente o pantula, pouco relatado mas que foi inventado pelos mineiros sul-africanos que fizeram coreografias com as botas. É daí que vem, na minha opinião, os movimentos amapianos”, analisa Diyou, do coletivo Dawa. Impulsionada pelos jovens, a cena também faz um sucesso estrondoso no TikTok, o aplicativo de compartilhamento de vídeos. Cantores e produtores, como Uncle Waffles, sempre acompanham os lançamentos de suas músicas com pequenos clipes coreografados que destacam para o sucesso dos títulos. O último desafio até agora, o da Focalistic para promover seu título “Khekheleza”, que se tornou viral em poucos dias com mais de 6 milhões de visualizações, sob a hashtag “Desafio Focalistic”.

Yann Amoussou
Yann Amoussouhttps://afroapaixonados.com
Nascido no Benim, Yann AMOUSSOU trouxe consigo uma grande riqueza cultural ao chegar ao Brasil em 2015. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, ele fundou empreendimentos como RoupasAfricanas.com e TecidosAfricanos.com, além de coordenar o projeto voluntário "África nas escolas". Com 27 anos, Yann é um apaixonado pelo Pan-Africanismo e desde criança sempre sonhou em se tornar presidente do Benim. Sua busca constante em aumentar o conhecimento das culturas africanas o levou a criar o canal de notícias AfroApaixonados
ARTIGOS RELACIONADOS
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Anúncio de parceiro - Clique para acessarspot_img

Mais Populares

Comentários recentes